.

.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

CENTRO DE BACABAL E DEZENAS DE BAIRROS PRÓXIMOS CONTINUAM "SOFRÊNCIA" COM IMPERÍCIA DE DÉCADAS DA ADMINSITRAÇÃO DO SAAE



Nota para a imprensa não sana constrangimento e necessidade de milhares de usuários bacabalenses
 



Através de nota à imprensa o SAAE de Bacabal informou que há uma grave pane mecânica na principal bomba da estação de captação do Serviço Autônomo de Água e Esgoto, localizada no Rio Mearim. Sabe-se que o SAAE é, sem nenhuma dúvida, uma das mais almejadas moedas de troca da política bacabalense e que por lá passaram figuras que poderiam ter resolvido o problema, tal que já batia na porta dos bacabalenses há anos. Uma vergonha remendar uma bomba de 51 anos, às pressas, sem se quer saber o quanto vai durar este “arranjo”. Isso, além de gerar mais despesas, gera também constrangimento para o consumidor, inclusive para aquele que tem o fornecimento de água prontamente interrompido quando não consegue pagar suas contas em dia.  Creio que com 51 anos de idade, já era para as administrações, que por ali passaram e a atual, já ter encontrado uma forma de prevê que tal situação pudesse ocorrer, e não deixar que um problema dessa magnitude - a falta de água no centro da cidade e bairros adjacentes - pudesse chegar a esse limite.  
Outra questão vergonhosa é que, após 51 anos de funcionamento de uma mesma bomba, como diz a nota, Bacabal continua sem estação ou lagoas de decantação, que seria o primeiro ponto obrigatório por onde água captada deveria passar, para, então, depois de decantada seguir para a filtragem na estação de tratamento. Por causa de não haver esse sistema, o SAAE trabalha de forma artesanal, fazendo com que haja paradas no sistema de abastecimento para que os técnicos façam limpeza e troquem os filtros.
Mais outra grande vergonha, é que após décadas de utilização do SAAE para várias finalidades, inclusive para algumas, a que tudo indica, obscuras, os canos do centro de Bacabal e de outros bairros próximos são de amianto. O amianto, também é conhecido como asbesto, trata-se de um material tóxico e que pode empedrar os pulmões daqueles que se expõe regularmente a ele.
Problemas “quinquatécnicos” do SAAE à parte, voltemos aos problemas causados pela falta de um real e responsável planejamento pela direção deste serviço, aqueles problemas que são gerados por não se ter água na torneira para as necessidades mais básicas. Por estes problemas, nós, consumidores, não podemos e nem devemos passar. O SAAE é uma autarquia que presta serviço para o consumidor, e se o serviço não é prestado com a devida eficiência, não engula as notas fabricadas à imprensa para encobrir a falta de comprometimento real e a escassez de competência para resolução de problemas, tais que todos os diretores que por ali passaram já sabiam existir há anos. Os serviços do SAAE, juridicamente, são regidos pelo Código de Defesa do Consumidor, e caso, haja maiores gravidades, o Ministério Público também pode tomar buscar resolução em prol da população afetada através de Ação Civil Pública para restabelecimento do sistema, pois esse não é um problema superveniente; a direção do órgão já estava a par do mesmo e deveria ter realizado ação planejada para garantir o abastecimento de água. Mas, fiquemos de olho.
Enquanto isso, nada... nada de água.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

QUEM QUER UM AMIGO COMO MICHEL TEMER?


Por Cláudio Cavalcante

Sabe aquele “amigo” que você talvez tenha, que parece lamentar muito os seus problemas e que na hora de uma grande derrota sua foi o primeiro a mandar aqueles recadinhos públicos no facebook ou outra rede interativa social, dizendo estar tristinho pelo acontecido, mas no fundo gostaria mesmo é que você se ferrasse? Sabe aquele “amigo” que muito aproveitou do seu gordo patrimônio no momento em que você estava no auge econômico e que foi o primeiro a sumir da sua vida após a sua falência? Sabe aquele “amigo”  que não gostaria de tomar seu lugar, mas gostaria mesmo era de ser você, aniquilando sua existência? Sabe aquele “amigo” das horas de farra que é o primeiro a chegar e o último a sair dos eventos que você organiza e que não te convida para os eventos que ele faz? Por último, sabe aquele “amigão” que você coloca debaixo do braço, defende-o, conta belas histórias sobre ele, mesmo sabendo que fantasia sobre sua conduta apenas para levantar sua moral e sua imagem; mas que por trás ele faz o que pode para lhe rebaixar, aos olhos alheios, e pintar a sua imagem de pior pessoa do mundo? Pois é, não morro de amores por Dilma, Lula e seus “petralhas”, mas esse amigo é o Michel Temer.

sexta-feira, 8 de abril de 2016

ACADEMIA BACABALENSE DE LETRAS PERDE UM DOS SEUS IMORTAIS

          A Academia Bacabalense de Letras perdeu, na noite desta quinta-feira (7) um de seus imortais, o Professor, poeta e escritor, Moraes Pessoa, que faleceu em são Luis. o Acadêmico Também era ex-servidor da Escola de Música de Bacabal e atualmente sofria de doença, considerada de grande gravidade.
         O poeta residia no bairro Santos Dumont, em Bacabal, mas seu corpo será velado em São Luís, na rua 15, casa 53, bairro Cohatrac II (Perto do Terminal de Ônibus). 
        Moraes Pessoa receberá homenagem póstuma durante a sessão pública da ABL, previamente marcada para o próximo dia 08, em alusão ao 15º ano de fundação da entidade, com data mantida, e com inclusão na pauta das homenagens póstumas ao imortal, in memoriam. Na oportunidade também acontecerá a solenidade oficial de diplomação da escritora Dalva Santos. O evento será no Auditório da universidade Estadual do Maranhão – UEMA, na rua Dias Carneiro, próximo a avenida João Alberto. Moraes, deixa uma vasta produção literária, boa parte dela ainda não publicada. 

quarta-feira, 6 de abril de 2016

SAAE NÃO CUMPRE O PAPEL DE TRATAR E DISTRIBUIR ÁGUA ADEQUADAMENTE NO CENTRO DA CIDADE DE BACABAL



POR Cláudio Cavalcante


O SAAE – Serviço autônomo de água e esgoto - não vem cumprindo o papel que deveria desempenhar para com os consumidores de Bacabal, que é o de tratar e distribuir água potável adequadamente. Nesse reclame, mesmo sabendo que o mesmo acontece em vários outros pontos da cidade, viso somente o bairro do centro, onde o problema é comprovado pelo produtor desse texto. Nesses últimos cinco dias, a água não chega até os canos de distribuição e quando chega é fraca e não sobe para as caixas d’água ou para as partes altas de casas que consomem a água de forma direta, sem reservatórios particulares. Além disso, a quantidade de terra, barro ou lama, que chega às torneiras é imensa, entupindo filtros, chuveiros, dentre outros.  Sabe-se que essa água vem de uma velha adutora, que capta as água às margens do Mearim, e que há mais de 40 anos se arrasta para dar conta do serviço, com uma demanda que só tem crescido e nenhuma providência para melhorá-la realmente é tomada, a não ser remendá-la continuamente. Enquanto isso, o consumidor vai pagando uma conta de água com taxa altíssima por um serviço mal prestado. Atualmente o Diretor do “serviço autônomo” é Leonardo Lacerda, sem formação ideal para o cargo, lá colocado por conveniência política, como é de praxe desses órgãos dos quais muitos cidadãos comuns dependem. O consumidor que se sentir lesado, e que não aceitar as desculpadas repassadas através de notas explicativas, pode procurar órgãos como o PROCON ou outras vias legais, afinal, não dá para pagar por um serviço que não atende as nossas mínimas necessidades diárias.