terça-feira, 5 de fevereiro de 2013


Ação do MP contra a prefeita pode está baseada em brigas políticas em Conceição do Lago Açu

Publicado no Portal de Notícias de Lago Açu

Prefeita Marly Sousa e Vereador Iran Vale


No último dia 31 foi largamente divulgado nos blogs e sites do Estado, a informação que o Ministério Público acionou a prefeita de Conceição do Lago Açu, Marly Sousa (PSD), com acusação de improbidade administrativa, é preciso ressaltar que essa ação ajuizada pelo MP nada tem haver com o processo eleitoral de 2012, em que a prefeita se reelegeu com uma margem de diferença espantosa para o segundo colocado.

 
É digno de nota que a presente ação de iniciativa do senhor promotor de justiça Henrique Helder de Lima Pinho, foi baseada em documentação fornecida a em 2010, pelo então presidente da Câmara de Vereadores de Conceição do Lago Açu, o vereador Junior Alcanforado, diga-se de passagem, um ferrenho adversário político da prefeita Marly Sousa no município.



 
O então vereador Junior Alcanforado, como grande opositor da prefeita, utilizou-se de seu poder de presidente da Câmara para apontar a torto e a direito, supostas irregularidades da administração pública municipal. Sempre foi público e evidente o objetivo do vereador Junior Alcanforado de prejudicar a prefeita Marly Sousa e seu vice-prefeito na época, Manuel Matos, falecido há dois anos. Caso os dois caíssem naqueles dias, Junior Alcanforado, assumiria a prefeitura de Conceição do Lago Açu. Com esse objetivo na cabeça, ele elaborou aquela denúncia no Relatório da Auditoria da Câmara de Vereadores, nª 01/2010.
 
Foi a partir desse relatório, recheado de perseguição política e camuflado para esconder o real objetivo do então presidente da Câmara de Vereadores que era de apoderar-se do controle do município, que ilustríssimo senhor promotor de justiça, Dr. Henrique Helder de Lima Pinho, baseou sua ação ajuizada no dia 22 de janeiro de 2013. Todos esses indícios supostos apontados pelo promotor, tinha um desejo oculto de derrubar a prefeita Marly Sousa e assumir o comando da prefeitura. O relatório elaborado a mando de Junior Alcanforado aponta apenas indícios de fraude nas licitações e em despesas, mas carece de provas convincentes. Indícios não são provas.
 
Em nenhum momento, o relatório prova que a prefeita Marly Sousa ou alguém a mando dela se apoderou de recursos da prefeitura de Conceição do Lago Açu. O documento relata que a prefeitura dispensou licitação sem parecer jurídico que justificasse a necessidade de dispensa; realizou Tomada de Preços (licitação) sem a apresentação dos participantes nem elaboração de ata dos trabalhos; e executou licitação de Convite sem a elaboração da ata dos trabalhos. Vejam bem leitores, são relatados problemas que podem ser facilmente classificados como deslizes administrativos, esses erros administrativos justificariam a perda de um mandato outorgado pelo povo? O Portal de Notícias e a maioria do povo de Conceição do Lago Açu acredita que não.
 
Caso nobilíssimo MP, acreditando nas veracidades desse relatório, que tem mais de dois anos, poderia sugerir uma multa ou uma TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) para que a gestora municipal, prefeita Marly Sousa, não cometesse mais nenhum desses deslizes, todavia, protocolar perda dos direitos políticos, por que faltou licitação em valores de 60 mil reais, é um descalabro.

Lembrando que o Ministério Público ajuíza esse pedido, entretanto, cabe a justiça estabelecida no Fórum de Bacabal julgar o mérito da questão. No Maranhão, são dezenas de prefeito que estão sendo processados pelo MP, mas até o momento desconheço um que tenha sido cassado.

Os milhares de munícipes de Conceição do Lago Açu, que reelegeram a prefeita Marly Sousa espera que o nosso estimado MP não venha ser arma de perseguição política, mas continue como guardião dos interesses do povo.
 

E concluindo, essa ação do Ministério Público foi baseada num relatórios proposto pelo então presidente da Câmara de Vereadores de Conceição do Lago Açu, Senhor Junior Alcanforado, filho do ex-prefeito José Alcanforado de Albuquerque, adversário política da prefeita Marly Sousa. No último pleito, enquanto a prefeita Marly Sousa recebeu a aprovação dos eleitores de Lago Açu ao se reeleger com ampla maioria, Junior Alcanforado, mesmo como presidente da Câmara de Vereadores, não conseguiu renovar o mandato. Então, segundo o povo, quem está com a razão?

 
E para lembrar, caso a prefeita tenha o seu mandato suspenso momentaneamente, assume o seu vice-prefeito seu Aldenor (PT) da Farmácia, aliado político da prefeita e não o empresário Lavepel (PRB), segundo colocado no pleito.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será analisado e logo será postado. Obrigado!