domingo, 1 de setembro de 2013

Oposição unida está cada vez mais forte no MA, garantem adversários do grupo Sarney

JORGE VIEIRA
A um ano das eleições 2014, líderes da oposição ao grupo Sarney acreditam que podem chegar à reta final das convenções partidárias, em junho do ano que vem, em clima de harmonia e com estratégia definida para enfrentar o adversário. Existe um entendimento de que a união em torno de candidaturas únicas ao governo e ao Senado fortalece a chapa majoritária da coligação de esquerda, que vem dando demonstração de vitalidade, segundo revelaram as pesquisas de opinião publicadas até agora.
Com discursos cada vez mais convergentes e ações que apontam para um cenário positivo no próximo ano, as lideranças de oposição têm demonstrado que devem chegar unidas na eleição do ano que vem. Flávio Dino, Roberto Rocha, José Reinaldo Tavares, Marcelo Tavares, Domingos Dutra, Simplício Araújo, Othelino Neto, Bira do Pindaré e Cleide Coutinho têm reiterado que todos precisam estar unidos para combater os Sarney e acabar definitivamente com o domínio do grupo no estado.
O crescimento da oposição no estado nos últimos anos e a real possibilidade de vitória em 2014, na avaliação do ex-governador José Reinaldo Tavares, têm justificativa. Segundo Tavares, “a pobreza é tão grande que o povo começou a ver que o que dizia a publicidade do governo era apenas enganação, muito diferente do dia a dia da sua vida”.
Para o ex-governador, esse fato aumentou a percepção e o conhecimento dos jovens que alertaram os mais velhos. Ele aponta também o uso cada vez mais disseminado das redes sociais, ferramenta importante na conscientização das pessoas. “A Globo também se tornou mais independente em relação ao Maranhão e passou a colocar notícias sobre as péssimas condições de vida no estado que penalizava muito os mais pobres, enfatizou Tavares.
O ex-governador aponta ainda que a presença de Flávio Dino na política, um ex-juiz, homem preparado, sério e inteligente, e a sua presença no quadro estadual, como candidato pela segunda vez, despertaram no povo o desejo de mudança, “sentimento hoje irreversível”.
Reinaldo diz ainda que o processo da cassação, embasado no parecer no Procurador Geral de Justiça, Roberto Gurgel, mostra que a eleição de 2010 foi fraudada com abuso de poder econômico e político, e que na verdade isso evitou o segundo turno, que se tivesse havido possivelmente Flávio já teria sido eleito naquele ano. Agora, o povo quer a mudança, que virá em 2014.
A construção de um cenário positivo para a oposição começou ainda em 2010, na apuração dos votos que, até bem próximo da finalização das urnas, apontavam um segundo turno entre Roseana Sarney e Jackson Lago. O ex-governador chegou a declarar apoio a Flávio Dino no segundo turno, que acabou não se concretizando. De lá para cá, muitas forças têm se unido no sentido de construir uma candidatura única. O exemplo disto foi a coalizão de forças realizada em 2012 para a eleição de Edivaldo Holanda Júnior, culminando na vitória do atual prefeito com o apoio de diversas lideranças de oposição.
Vice-prefeito de São Luís e pré-candidato ao Senado Federal, o ex-deputado Roberto Rocha (PSB), em evento realizado semana passada no município de Tuntum disse que mudar a realidade do Maranhão é uma tarefa de muitos, cada um com sua responsabilidade.
“É preciso que estejamos cada vez mais unidos para combater essa imensa concentração de poder que existe no Maranhão. O que não podemos é continuar convivendo com números que entristecem a nossa gente”, ressaltou Rocha.
Nas cidades do interior do estado, os esforços também tiveram bons resultados. Cidades importantes como Timon, Balsas, Barreirinhas e Santa Inês conseguiram eleger prefeitos com o propósito de mudar o modelo administrativo no Maranhão. Além delas, outras como Caxias e Matões aprovaram as administrações oposicionistas.
Os diálogos pela unidade têm crescido e diversas forças estão se reajustando em 2013. O PSDB, o PP, o PPS e o PT são exemplos de partidos que estão discutindo internamente os rumos que devem tomar no próximo ano. Além delas, PCdoB, PDT, PSB e PTC estão se preparando para as eleições de 2014.
DIÁLOGOS PELO MARANHÃO – Em março deste ano, Flávio Dino lançou em Imperatriz o movimento Diálogos pelo Maranhão. Os eventos acontecem em diferentes cidades, durante os finais de semana, e, segundo a assessoria do movimento, já passou por todas as regiões do estado e aconteceu em mais de 40 municípios.
As reuniões costumam acontecer em cidades-polo, envolvendo lideranças políticas e sociais não só onde os eventos acontecem como em cidades vizinhas.
Segundo Flávio Dino, esse movimento reúne grande parte da população e tem por propósito discutir a realidade maranhense e construir um plano de governo que esteja atento aos problemas apresentados pela própria população em cada região do estado.
PESQUISAS FORTALECEM – No cenário atual, as pesquisas apontam larga vantagem de Flávio Dino em relação aos candidatos apresentados pelo governo do Estado. Contra o pré-candidato do governo, o secretário de Infraestrutura do estado, Luís Fernando Silva, a diferença ultrapassa 40 pontos de vantagem. Na última pesquisa estadual feita pelo Instituto Amostragem, Flávio Dino aparece com 60,9% dos votos contra 19,2% de Luís Fernando.
Na disputa pelo Senado, a oposição também tem obtido boa vantagem, segundo o levantamento da Amostragem. Pelo menos dois pré-candidatos da oposição estão à frente dos pré-candidatos do grupo Sarney. Tanto Roseana Sarney quanto Gastão Vieira perderiam a disputa pelo Senado se as eleições fossem hoje, segundo a sondagem. Na pesquisa, as intenções de voto em Roberto Rocha chegam a 43,69%; José Reinaldo Tavares, 38,15%; Roseana Sarney, 36,23%; e Gastão Vieira, 26,24%. Esses números refletem os melhores cenários para cada um dos candidatos, segundo o Instituto Amostragem.
Mas qual o motivo desta vitalidade demonstrada nas pesquisas? Na interpretação do líder da oposição na Assembleia Legislativa, deputado Rubens Pereira Júnior, ela se deve ao fracasso político e administrativo do governo. Outro fator apontado pelo oposicionista é o sentimento das ruas, porque será inevitável a alternância política.
Para o deputado Marcelo, “o sentimento de mudança é irreversível”. A tese do parlamentar é compartilhada pela deputada Cleide Coutinho (PSB). Ela diz que está muito otimista quanto ao sucesso da oposição em 2014 e adverte que tem andado pelo Maranhão e observado “um sentimento latente de mudança”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será analisado e logo será postado. Obrigado!