sexta-feira, 16 de maio de 2014

É ASSIM QUE FUNCIONA AQUI - Estratégia de indicar suplente de candidato a senador só interessa aos petistas que não se alinham ao projeto de aliança com o PMDB no Maranhão – e ao deputado federal Gastão Vieira (PMDB), a quem pouco importa a eleição de Lobão Filho, desde que seja garantida a sua ascensão ao Senado

PT anti-Sarney age para se eximir da campanha…


Do http://www.marcoaureliodeca.com.br/

Partiu do presidente nacional da legenda, Ruy Falcão – um anti-Sarney assumido -  a pressão no PT maranhense para que o partido abra mão da
indicação de um companheiro de chapa para o senador Lobão Filho (PMDB).
A mudança de patamar do partido na coligação foi bem recebida por uma parte do PMDB -  mas só aqueles que defendem a candidatura do deputado federal Gastão Vieira ao Senado.
Aos petistas alinhados a Ruy Falcão interessam o distanciamento das obrigações do PT na coligação com o PMDB. Quem defende a artimanha do presidente da legenda quer se eximir da campanha de 2014 para não ter amarras em 2015.
É a turma do PT que será governo, vença Lobão ou vença Flávio Dino (PCdoB).
Sem a vice, estariam eles desobrigados da campanha.
Estes petistas distanciados da coligação foram convencidos de que a suplência é melhor do que a vice por uma outra artimanha, esta do deputado Gastão Vieira. (PMDB).
Gastão tem plantado na cabeça de petistas nacionais e locais que será ministro novamente se a presidente Dilma Rousseff se reeleger. Tenta há dias, inclusive, obter uma declaração de Dilma em apoio ao seu nome para o Senado – até agora sem sucesso aparente.
O objetivo de Gastão Vieira é se fortalecer politicamente na disputa com o presidente da Assembleia Legislativa, Arnaldo Melo (PMDB), usando o trunfo do ministério para convencer petistas e peemedebistas.
Mas a Gastão só importa a candidatura ao Senado. Só importa a ele a ascensão à Câmara Alta, pouco importando a vitória do grupo na eleição de outubro.
E não há qualquer sinalização de que Dilma irá levá-lo de volta ao ministério.
A menos que o PMDB tenha o interesse na vaga de vice para abrir seu leque de alianças e atrair reforços para o palanque de Lobão Filho, não faz qualquer sentido que libere o PT da missão.
E para fortalecer o projeto das duas legendas, o indicado deve ser um petista identificado com a aliança PT/PMDB e organicamente envolvido no debate eleitoral.
Mas esta é uma outra história…

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será analisado e logo será postado. Obrigado!