segunda-feira, 19 de maio de 2014

Superintendente diz que faltou cuidado - sobre morte de escrivã

Em entrevista ao programa Bom Dia Mirante, da TV Mirante, na manhã desta segunda-feira (19), o superintendente de Polícia Civil do Interior (SPCI), Jair Paiva, comentou sobre a morte da escrivã Loane Maranhão Thé.
“Se ele já é um elemento que vem praticando isso (abuso) com as próprias filhas, não é uma pessoa que a gente pode dizer que é uma pessoa de bem. É uma pessoa que, no mínimo, tem um caráter perigoso. Então, ele chega na delegacia, você já passa a ver ele com outros olhos. Você tem que ter um certo receio com esse tipo de gente e isso eu acho que faltou na equipe que tava lá, de olhar pra ele e ter mais cuidado, e tá perto dele”, disse.
O superintendente ainda afirmou que a polícia não sabe se a escrivã tomava o depoimento do acusado sozinha. “A gente não pode precisar se a Loane estava tomando esse interrogatório sozinha. O que eu sei é que na Delegacia da Mulher, estavam, no momento, a delegada da Mulher titular, duas investigadoras e a Loane, e todas estavam sabendo do fato porque, no dia anterior, as filhas do acusado estiveram, foram ouvidas e o caso já estava em investigação na delegacia”, contou.
JairDe acordo com Paiva, o escrivão também é um policial e possui porte de arma. “Todos os policiais têm armas cauteladas, né? Não sei se a arma estava próxima, ao alcance dela, que pudesse reagir. Eu até acredito que, pela forma que aconteceu, foi de forma muito covarde que não deu tempo nem dela esboçar qualquer tipo de reação”.
Em relação à segurança nas delegacias, o superintendente disse que a revista é imprescindível. “Aqueles procedimentos padrões de segurança que o policial tem que ter, por exemplo, revistar todo e qualquer suspeito, fazer a revista, uma revista bem feita, porque muitas vezes a gente faz a revista e o cidadão já alega que está sendo constrangido, o que é um absurdo, mas isso tem que ser feito. As polícias mais modernas do mundo, elas fazerm a revista, né? E o Código de Processo diz que, se tiver fundada suspeita, você pode fazer a revista a qualquer momento, em qualquer pessoa”.
Paiva ainda afirmou que o crime foi chocante até mesmo para a polícia. “É um crime que chocou muito a comunidade da Polícia Civil, da Segurança como um todo, e também a população. Em todo tempo de polícia que eu tenho, há 16 anos, nunca vi coisa parecida em lugar nenhum do Brasil”, revelou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será analisado e logo será postado. Obrigado!