domingo, 26 de outubro de 2014

Quem são os interessados na vitória de Dilma e Aécio no Maranhão

A definição das urnas, hoje, será decisiva não só para os rumos do Brasil, mas para o itinerário da política – e de políticos – maranhense. Aliados de Aécio Neves (PSDB) e de Dilma Rousseff (PT) apostam que seus respectivos candidatos farão melhor para o estado, mas também sabem que, com a defesa enérgica da candidatura de um dos presidenciáveis, também há possibilidade de benefícios pessoais. O que os principais aliados dos dois candidatos podem ganhar em caso vitória? O Imparcial faz um levantamento das possibilidades.

Na linha de frente da campanha de Aécio Neves no segundo turno estiveram o vice-governador eleito Carlos Brandão (PSDB), a deputada federal mais bem votada do estado, Eliziane Gama (PPS), o senador eleito, Roberto Rocha (PSB), o seu primeiro suplente, Pinto da Itamaraty e muitos outras lideranças

Para Carlos Brandão, a eleição de Aécio representará a verdadeira mudança. E o governo do Maranhão ganhará em parceria. "Certamente teremos nossas políticas públicas consolidadas porque o governo federal estará antenado com o governo estadual. Os governos federal e estadual serão grandes parceiros e isso influenciará sensivelmente na melhoria da qualidade de vida da população, promovendo a mudança que tanto queremos para o nosso Maranhão. Esta realidade, sabemos, só será possível com o PSDB na presidência da República", destaca o tucano.

Já a deputada Eliziane Gama poderia ser fortalecida na disputa municipal em 2016, isto, claro, se o PSDB não lançar candidatura própria. A parlamentar, reconhecendo a dinâmica da política, acredita que até 2016 muita coisa pode mudar e que o ganho real, no Maranhão, será para oposição. “Digo que a vitória do Aécio fortalece o campo da oposição. Partidos como PPS, PSDB e o Rede de Sustentabilidade ganham ainda mais corpo”, defende Eliziane, que continua: “Cada eleição é uma eleição. O PSDB deve ter seu candidato também em 2016. Hoje estamos focados no resultado das eleições presidenciais”.

Especula-se que o senador Roberto Rocha, que tem levantado veementemente a bandeira do tucano no estado, pode ser um dos mais privilegiados com a eleição de Aécio. A ele poderia ser concedido um Ministério. Na possibilidade do socialista compor o Governo Federal, seu suplente, Pinto Itamaraty, companheiro de Aécio de partido, assumiria o Senado. E o ganho seria duplo.

Aliados de Dilma
Em campos políticos opostos, lideranças do Maranhão deixaram divergências políticas de lado em prol da candidatura de Dilma no segundo turno. O PCdoB, partido do governador eleito, Flávio Dino, e a resistência petista (ala do PT maranhense que não aderiu a aliança PT-PMDB) atearam a bandeira vermelha, assim como parte do PMDB – tendo Gastão Vieira como um dos maiores defensores da Dilma no estado – e o PT maranhense. O prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC) e a governadora Roseana Sarney (PMDB), que também tem lá suas diferenças políticas, apóiam a reeleição da presidenta.

Ainda que Flávio tenha optado pela neutralidade, seu partido teve lado no segundo turno. Em nota, assinada pelo presidente estadual do partido, Márcio Jerry, a sigla conclama a militância para trabalhar pela reeleição de Dilma, para que seja assegurado um novo ciclo de desenvolvimento no país, com mais emprego, educação de qualidade, saúde pública e distribuição de renda.

No material, fica claro que, para o PCdoB, a vitória de Dilma beneficiaria o governo de Flávio, que tem afinidade política e ideológica com a gestão realizada pelo PT nos último 12 anos. “As votações consagradoras de Flávio Dino para o governo e Dilma para a presidência no primeiro turno do Maranhão confirmam que essa é a aliança que o povo escolheu para empreender as mudanças que o nosso estado tanto precisa”, aponta, na nota, Jerry.

O presidente estadual do PT, Raimundo Monteiro, acredita que a vitória de Dilma irá fortalecer a agremiação. “O objetivo maior é o PT. Na hora é que é preciso ser PT, as pessoas esquecem as diferenças”, aponta Monteiro.

A aposta dos bastidores políticos é que a vitória de Dilma fortalecerá realmente a Resistência Petista. Aliada do governador Flávio Dino, a ala do partido terá livre trânsito nas instâncias federal e estadual, diferente do que vem ocorrendo nos últimos anos, quando esta militância tem diálogo em Brasília, mas faz oposição ao atual Governo Maranhense.

Do PMDB, o ex-ministro do Governo Dilma e candidato derrotado ao Senado, Gastão Vieira, é o que goza de maior privilégio com a presidente, que, inclusive, gravou depoimentos de apoio durante a corrida ao Senado. Sem engajamento em coordenações de campanha, mas trabalhando individual e espontaneamente pela reeleição de Dilma, Gastão diz ainda não ter pretensões nesse Governo, mas, recebendo o convite irá avaliar a possibilidade. “O que eu posso vislumbrar é o carinho que ela demonstrou, durante campanha, ter por mim. Não trabalho com a possibilidade de ocupar um cargo. E se a presidente Dilma me oferecer um cargo que me dê visibilidade política, vou contribuir em Brasília”, explica o ex-ministro.

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior e a governadora Roseana Sarney também apóiam a reeleição de Dilma. Edivaldo, tendo no Governo Federal o único parceiro – já que não convênios assinados com a instância estadual – torce pela continuidade da parceria. “Nós (São Luís) temos tido a parceria efetiva do Governo Federal nesses últimos anos, principalmente no nosso mandato. Muitas unidades de saúde tem sido reformadas com ajuda do Governo Federal: Socorrão I, Socorrão II, Hospital da Criança, na ampliação e reforma”, relatou Edivaldo a equipe de O Imparcial.

Já Roseana, acredita-se que, sem mandato a partir de 2015, também pode estar contando com o apoio da presidente para dar continuidade a carreira política, de Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será analisado e logo será postado. Obrigado!