domingo, 1 de fevereiro de 2015

Trinta dias de governo Flávio Dino - Instinto social

É muito cedo para dizer de bem ou de mal do governo, avaliarão, certamente, alguns. Mas revela-se instintiva, nesses primeiros 30 dias, a opção do governo e do novo governador, Flávio Dino, pela promoção da igualdade social, transparência e honestidade nos negócios públicos. Não há mais preguiça, inapetência administrativa. Sente-se que o instinto socialista toma assento no poder.
O governo e o governador colam nos movimentos sociais, nos sindicatos, nas entidades da sociedade civil organizada, nos representantes da força pública, nos deserdados que pagaram com a própria fome, saúde e educação pelo mais sacrificado Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil. O índice que, dentre outras sequelas, revelou o estado de extrema pobreza do povo do Maranhão.
O governo responde. Trinta prefeitos, que nem sequer apoiaram a campanha do novo governo, receberam o Plano Mais IDH e um comitê gestor encarregado de reparar algumas das mais graves injustiças sociais da nossa História. Não há mais, portanto, discriminação político-administrativa; há um povo que espera que o poder público atenda a seus legítimos direitos e aspirações.
O governo ousa e desafia e, consciente de que as improbidades e o patrimonialismo se tornaram insuportáveis para os maranhenses, cria a Secretaria da Transparência e Combate à Corrupção. Até o último dezembro, nem como idéia, isso jamais seria imaginável. Até o último dezembro, a essência da governança era um baião de dois intragável de patrimônio público e patrimônio privado, uma mistura acre de interesses pessoais e de grupos afinal responsáveis pelo atraso econômico do Estado.
O governo ousa, desafia e põe fim às terceirizações, até ontem uma fonte de renda inesgotável para amigos e parentes do poder.
Trinta dias e a desarticulada agricultura familiar ganhou uma pasta, um posto gerencial; trinta dias e mil novos policiais foram convocados a se incorporar à combalida segurança da população, ao combate à violência, tráfico de drogas e ao crime organizado; trinta dias e o governo organiza um seletivo para colocar mil novos professores em salas de aula. E a nova ordem é por fim às escolas de t
aipa, à didática faminta das palhas e dos galpões.
Trinta dias para dar início a um novo modelo político no Estado, senhores barões dos privilégios, nem um único dia a mais.
Talvez que, de fato, ainda seja cedo para dizer de bem ou de mal do governo, mas tão visível opção pela erradicação da pobreza absoluta, pela redução das desigualdades, pela transparência e honestidade e a evidente integração dos movimentos sociais e entidades da sociedade civil ao governo, anuncia a construção de uma nova ordem política, na qual o dinheiro do povo caiba apenas nos bolsos do povo, não em contas secretas e paraísos fiscais.
É esse o rumo. A direção nos parece inconfundivelmente correta. Já era hora do poder público no Maranhão entender a extensão do ser público e governar com mais atenção a seu próprio e inquestionável instinto social. (Informe JP)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário será analisado e logo será postado. Obrigado!